Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Joel Leite |

Ver todas as opiniões
Joel Leite

09/05/2019

Como vai caminhar a humanidade

Uma reflexão sobre as formas de mobilidade no futuro, quando o carro não será mais apenas carro

Uma equipe da FCA (Fiat Chrysler Automobiles) se debruça sobre temas que preocupam todos os que especulam a mobilidade do futuro. Para Mateus Silveira, líder da equipe, e responsável pela área de Future Insights da FCA, trata-se de “uma reflexão sobre as cidades e aos carros”, com o objetivo de entender “para onde, ou como, caminha (literalmente) a humanidade”, que cada vez mais se amontoa em grandes concentrações urbanas e necessita novas opções de locomoção.

Nos últimos dois séculos as pessoas deixaram as zonas rurais e passaram a construir cidades cada vez mais populosas. Algo como 168 milhões de brasileiros, ou 80% da população, vivem em apenas 1% do território do País, que é a área urbanizada.

Os dados de venda da FCA revelam essa concentração: metade de todos os carros vendido pela Fiat está concentrada em apenas 24 cidades. No caso da marca Jeep a concentração é ainda maior: 50% das vendas são feitas em 16 municípios.

Embora aglomeradas, as pessoas precisam se locomover, para atender as suas demandas: trabalho, estudo, passeios, diversão. E o planejamento urbano não dá conta de acompanhar esse frenético crescimento, criando desigualdades sociais, tornando a circulação de pessoas e mercadorias cada vez mais difícil.

O caminho tem sido a valorização do ambiente digital, que ajuda na mobilidade porque muda a noção de tempo e espaço. E aí as cidades de países como o Brasil levam vantagem, porque, ao contrário de cidades europeias, que estão cristalizadas, as concentrações urbanas do chamado Novo Mundo são mais permeáveis às mudanças.

Daí que se especula a transformação do carro, que deixa de ser um simples meio de transporte para se tornar um aglutinador de ações necessárias para a sobrevivência do homem urbano. É preciso criar usos que hoje não existem para o carro. Ele poderia ser também uma antena de captação de sinais, uma câmera de vigilância na cidade, para dar segurança a motoristas e pedestres. É preciso descobrir os inúmeros atributos que o carro pode - e deve – ter. Carro e os demais meios de transporte, sejam ou não motorizados.

“A cidade ideal é aquela que oferece o maior número de opções”, considera Mateus. Assim, não se trata de substituir um modal por outro, mas de ampliar a oferta de mobilidade. Carro elétrico, carro autônomo, bicicleta, patinete, skate, nenhum deles deve prevalecer, mas somar.

“Quando o carro autônomo chegar, ele não será mais carro. Ele terá novas funções, vai ser a extensão do escritório, da casa, do café”, vislumbra.

_______________________________________________________
Este artigo foi publicado originalmente pela Agência Autoinforme
joelleite@autoinforme.com.br

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência