Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Joel Leite |

Ver todas as opiniões
Joel Leite

12/07/2019

Acordo com União Europeia é ameaça ou oportunidade?

Tudo vai depender de como o Mercosul e o Brasil vão se desenvolver diante das mudanças profundas que afetam a indústria automotiva no mundo

A abertura de mercado, com acordos comerciais como o recém-assinado Mercosul-União Européia, pode proporcionar uma real oportunidade para inserção da indústria nacional no contexto global, ao mesmo tempo que pode contribuir para que a capacidade intelectual e o talento para a inovação sejam de fato os diferenciais competitivos tanto para as empresas, como para os profissionais.

A avaliação é de Eugênio Cézare, executivo da indústria automobilística que atua há décadas na área de manufatura. Ele elencou alguns itens para reflexão sobre o papel do carro no próximo período, “para tentar compreender quais as competências estratégicas necessárias para administrar a nova onda de negócios”, revelou.

Considerando que todas as montadoras têm operações espalhadas pelo planeta, com diversos formatos de negócios, Eugênio avalia que haverá grande ociosidade, considerando a capacidade produtiva de todas as fábricas do mundo.

“Na operação de manufatura, alguns fatores adquirem enorme peso, como a relação entre os altíssimos investimentos nos processos produtivos, tecnologias embarcadas e os ciclos de vida dos produtos cada vez mais curtos”, explicou o executivo.

Para ele, a saúde da cadeia de suprimentos depende da estabilidade da demanda e dos volumes. Sem o fluxo e planejamento adequados, é inevitável o efeito chicote no setor de autopeças.

O Brasil vem perdendo posições no ranking mundial: caiu de quarto maior mercado de veículos do mundo em 2013 para oitavo no ano passado, com 2,5 milhões de unidades vendidas, sendo que já chegou a quase 4 milhões. Ou seja, o consumo está longe do seu potencial, que, segundo especialistas, é de pelo menos 5 milhões de unidades por ano, considerando as necessidades do País e a baixa relação habitante/veículo. “No entanto, com algumas raras exceções, a indústria automotiva no Brasil não alcançou ainda um patamar de consolidação”, avalia Eugênio.

Ele faz algumas considerações sobre o que o mercado reserva para o setor. A primeira delas é que o futuro é o compartilhamento, com o carro sendo considerado muito mais como um serviço de mobilidade do que um produto. Quanto à matriz e a forma de propulsão, seguem fortes as pesquisas para melhorar a eficiência energética nos motores a combustão e há investimentos nas modalidades elétrica, híbrida e célula de hidrogênio.

“A conectividade e a dirigibilidade autônoma também têm feito surgir modelos de negócios inéditos com a inserção de startups de tecnologia no supply chain”, destaca.

O executivo considera que esses desafios – aliados aos temas do momento (conectividade, eletrificação e autonomia) – exigem uma revisão total das estratégias de negócios, no Brasil e no mundo.

_______________________________________________________
Este artigo foi publicado originalmente pela Agência Autoinforme
joelleite@autoinforme.com.br

Comentários

  • WalterJ F Oliveira

    Nãofaz nenhum sentido em apontar um potencial de produção de 5 milhões de veículos por ano, se não demonstramos capacidade nenhuma de investimento em infraestrutura urbana para suportar este volume em nossas ruas para deslocamentos.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência