Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Opinião | Paulo Cardamone |

Ver todas as opiniões
Paulo Cardamone

03/02/2020

Eficiência energética e emissões

Os benefícios do Rota 2030 e riscos do Proconve

Montadoras com alto desempenho em eficiência energética se preparam para requerer, já a partir de outubro, benefícios antecipados do programa Rota 2030 que podem atingir de um a dois pontos porcentuais de redução de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os veículos que ultrapassarem sua meta de qualificação em 5,7% e 10,8%, respectivamente.

Mobilidade sustentável tem sido tema central nos pronunciamentos dos CEOs das montadoras locais, principalmente nos últimos 12 meses. A intenção clara é a de se alinhar à discussão global sobre redução de emissão de gases de efeito estufa (CO2) e de emissões de gases poluentes, com o diferencial de que no Brasil o “frenesi” pela adoção de veículos puramente elétricos é, por motivos óbvios, muito mais comedido.

O Monitoramento de Eficiência Energética da Bright Consulting mostra crescente evolução dos veículos vendidos no mercado brasileiro desde a última qualificação obrigatória em 2017. Apesar da grande mudança no mix de venda, com aumento significativo da participação de SUVs, que superou 22% do mercado em 2019, a eficiência energética evolui 2% mesmo com o aumento da massa dos veículos.

Prevemos que as montadoras que atingiram os índices incentivados de benefício de IPI em 2017 no Inovar Auto estão mais próximas de manter o benefício na qualificação de 2022 do Rota 2030, o que corresponderá a mais de 1,4 milhão de veículos beneficiados com redução média de IPI de US$ 300 por veículo. Adicionalmente às metas de eficiência energética, o aumento dos requisitos de segurança com tecnologias de assistência à direção exigidas/permitidas no programa vai aumentar a chance de se atingir o benefício máximo em 2022.

A plataforma digital da Bright Consulting permite identificar as principais estratégias adotadas até o momento pelas montadoras para atingir “compliance” com a legislação e como será a evolução tecnológica nos próximos dois anos. Mitsubishi, Porsche, Toyota e Volvo já atingem as metas de qualificação do Rota 2030, devido principalmente, a menos da Mitsubishi, ao volume de veículos híbridos no portfólio dessas empresas.

No quadro a seguir podemos identificar a posição relativa das montadoras em dezembro de 2019:

A evolução da adoção de tecnologias que contribuem para a melhoria da eficiência energética e, consequentemente, menor emissão de CO2 destaca a tendência de downsizing para motores de três cilindros e maior utilização de turbocompressores, o que pode ser identificado no quadro abaixo:



A mobilidade sustentável no ambiente brasileiro deve ter seus planos ancorados na complementariedade dos programas Rota 2030, Proconve e RenovaBio. E os reguladores devem ajustar rapidamente à legislação para evitar que riscos ao histórico desenvolvimento dos combustíveis alternativos e da própria indústria se materializem. Destaque para a fase L8 do Proconve, que em razão de um erro conceitual pode liquidar com os motores flex a partir de 2025 pela impossibilidade de atendimento aos limites atualmente propostos.

O Brasil precisa aproveitar o novo ciclo de mudanças nos sistemas de propulsão, para maximizar as vantagens competitivas que a utilização do etanol em motores híbridos nos propicia e participar ativamente dos fóruns globais, cobrando a validação das várias alternativas de motorização, medidas sim a partir do ciclo completo da matriz energética, ou seja, do poço à roda. Este ponto-chave abre imenso espaço para um salto quântico ao futuro se investirmos pesadamente no desenvolvimento da propulsão a hidrogênio a partir do etanol.

Há uma nova chance de criarmos alianças estratégicas com centros de excelência mundiais em pesquisa e desenvolvimento e participarmos com liderança do futuro da evolução da propulsão limpa.

Paulo Cardamone, Bright Consulting

Comentários

  • DECIOMAGIOLI MAIA

    Equal seria o erro da legislação do Proconve? Não mais abater o álcool não queimado das emissões de NMHC? Se for isso, para onde está indo o álcool não queimado, se não para a atmosfera e, em última análise, para o meu nariz? Obrigado!

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência