Automotive Business
  
ABLive

Opinião | Fernando Calmon |

Ver todas as opiniões
Fernando Calmon

12/02/2020

Seis grandes mudanças nos últimos dez anos

Crise econômica e fatores como segurança e preferências do consumidor remodelaram mercado

Um balanço do mercado de veículos da década dos anos 2010 a 2019 mostra que muitas coisas mudaram. A crise de vendas iniciada timidamente em 2013, com uma queda se apenas 1% ante 2012, na realidade era só o começo. Os três anos seguintes levaram a um tombo de nada menos de 45% na comercialização de automóveis e comerciais leves e pesados.

Entre as estatísticas desse período que acabam de ser divulgadas pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o comprador mudou muito. Os carros “pelados” diminuíram sua participação sensivelmente. Itens de comodidade deram um salto. Comparando o primeiro e o último ano da década, o câmbio automático passou de 12% para 49% dos veículos vendidos, a central multimídia de 3% para 40% e o controlador de velocidade de cruzeiro, de 10% para 45%. Nada comparável ao ar-condicionado: de 31% para 97%.

Mesmo em segurança houve evolução após airbags e freios ABS se tornarem itens de série a partir de 2014. O controle eletrônico de estabilidade (ESC, sigla em inglês) passou de 7% para 44% e a câmara de ré, de 2% para 36%.

Isso não significa que modelos espartanos acabaram. Se a economia voltar a crescer, como tudo indica, é possível o “sonho” do primeiro carro zero-quilômetro voltar, em parte. Já ocorreu no passado após as quatro crises anteriores a essa. Depois de muito tempo comprando seminovos (até três anos de uso), juros menores podem atrair mais interessados no zero-quilômetro menos equipado.

A venda de usados era 2,5 vezes maior que a de novos em 2010. Hoje saltou para 4,1 vezes, mas em 2016 era 5,1 vezes superior. O mercado de seminovos também deve ser influenciado pelo encarecimento inevitável dos automóveis novos com exigências de mais itens obrigatórios de segurança, diminuição de consumo de combustível e de emissões nos próximos cinco a dez anos. São tecnologias caras.

O gosto do brasileiro mudou em uma década apenas. Cenário em 2010: hatches representavam 53% do total comercializado e em 2019 caíram para 40%; sedãs, de 25% para 21%; picapes subiram de 11% para 13%. Mas nada se compara aos SUVs. No mesmo intervalo passaram de 7% para 22%. Estes continuarão a aumentar sua participação, tendo como alvo preferencial os sedãs.

Outra mudança foi na forma de aquisição. No início da década, financiamentos respondiam por 46%, consórcio 6%, leasing 11% e à vista 37%. No fim do período, financiamentos e a modalidade à vista subiram para 53% e 42%, respectivamente, enquanto o consórcio encolheu para 4% e o leasing, para 1%.

Na maioria dos países o consórcio nem existe e tende a encolher bastante aqui. Uma das formas saudáveis de crescer é a participação do leasing subir para pelo menos 25%. Nos mercados desenvolvidos chega a 80% ou mais das vendas financiadas. Para o leasing funcionar de modo semelhante a um aluguel de longo prazo, a legislação brasileira precisaria mudar. Trata-se de instrumento valioso para mais pessoas usufruírem carros novos.

O segmento de vendas diretas expandiu-se expressivamente em dez anos: passou de 23% para 45% de toda a comercialização de veículos. As locadoras representam quase 20% desses 45%. Outros integrantes se distribuem entre três níveis de governo: frotistas em geral, produtores rurais, taxistas e PcD (pessoas com deficiência que, na realidade, representam venda a varejo com isenções tributárias de lei).

ALTA RODA


VENDA de veículos em janeiro surpreendeu negativamente: queda de 3,9% em relação ao mesmo mês de 2019. Na realidade, o porcentual reflete desencontros em relação às novas placas no padrão Mercosul, que prejudicaram os registros de fim de mês no mercado do Estado de São Paulo. Estima-se em 2,4% o crescimento, se todos os modelos vendidos tivessem sido emplacados.

NOVA geração do Audi Q3 ganhou oito centímetros de entre-eixos e o banco traseiro corrediço (15 cm) aumentou ainda mais o espaço para as pernas. Por isso ficou um pouco mais pesado. Para compensar há cinco modos de condução, do fora de estrada ao Sport. Potência de 150 cv e 25,5 kgfm de torque. O porta-malas é o maior do segmento: 530 litros. R$ 179.990 a 209.990.

MERCEDES-BENZ EQC 400 4MATIC, 100% elétrico, chega em junho: R$ 477.900. SUV inspirado no GLC tem um motor para cada eixo (tração 4x4), 400 cv e 77 kgfm para nada menos de 2,5 toneladas de peso (vazio). Alcance médio, 360 km. Foco em aspectos aerodinâmicos e estilo futurista ao aproveitar recursos de LED. Espaço interno é bem amplo.

SALÃO do Automóvel de São Paulo (12 a 22 de novembro) promete novidades em mobilidade, entretenimento e geração de negócios. Além de ações de testes on e off-road para o público, incluindo veículos autônomos, interação com os visitantes será ampliada graças a QR Codes nos próprios ingressos. A exposição é a terceira do mundo em visitantes.

CHEVROLET e Onix foram marca e modelo mais procurados em 2019 entre 30,5 milhões de buscas na plataforma iCarros de comercialização de veículos novos e seminovos. Fiat, a segunda marca, e Volkswagen Gol, o segundo modelo mais pesquisados. Numa única região do País, o Centro-Oeste, o Gol superou o Onix de forma surpreendente para um modelo há mais de 10 anos sem mudar.

____________________________________________________________

fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência