Automotive Business
  
ABLive

Opinião | Pedro Kutney |

Ver todas as opiniões
Pedro Kutney

14/12/2020

Recuperação em 2021 esbarra na Covid-19 e inépcia do Executivo

Atraso na vacinação e fragilidades econômicas indicam mais um ano de restrições

O ano que pareceu não ter fim está quase acabando, mas o que fez dele um período sem precedentes de muitas dificuldades e tristezas, a pandemia de coronavírus, está ainda longe de terminar. O encerramento do calendário gregoriano de 2020 não é ponto final da Covid-19 e suas sequelas irrecuperáveis (perto de 200 mil mortes só no caso brasileiro), também não tira de cena um governo central que lida com o problema pautado por profunda inépcia e sociopatia do chefe do Executivo.

A combinação de aceleração da doença que já volta a lotar leitos de UTI pelo País, atraso no programa nacional de vacinação que virou disputa política e fragilidades econômicas nada triviais que o deus-mercado não será capaz de resolver, são fatores que apontam para mais um ano de adversidades e restrições.

Nesse cenário, a indústria automotiva está confiante na continuação da recuperação acelerada do setor, que se ainda não é suficiente para cobrir todos os estragos deixados pela pandemia em 2020, ao menos coloca a perspectiva positiva do crescimento no horizonte. Contudo, a associação dos fabricantes de veículos, a Anfavea, e a de seus distribuidores, a Fenabrave, ainda preferem cautela diante de certa volatilidade imposta pelos acontecimentos mais recentes.

Nenhuma das duas organizações se arrisca a divulgar suas projeções para 2021, prometem fazer isso só em janeiro, depois que dezembro deverá confirmar a venda de 1,96 milhão de automóveis e utilitários leves este ano (-26% sobre 2019) e algo próximo de 88 mil caminhões (-13%) e 14 mil chassis de ônibus (-33%).

Esses resultados comprovam que ambas as entidades erraram as duas previsões pós-pandemia que cada uma fez este ano, que sequer foram corrigidas diante de um fim de ano de sentimentos confusos, de alívio com a retração menor do que a esperada, de preocupação com o recrudescimento da pandemia, de incerteza sobre a sustentabilidade da economia brasileira.

Anfavea e Fenabrave esperavam por quedas bem mais pronunciadas entre 30% e 40% do mercado total, mas a sanha consumidora do brasileiro que segue comprando é mais forte do que se supunha. O que não se sabe é quanto fôlego resta a consumidores que em 2021 vão encarar alta de preços e juros, desemprego crescente e renda decrescente.

PERSPECTIVA DE ATÉ 2,5 MILHÕES DE VEÍCULOS EM 2021



Fica fácil crescer depois de cair tanto. Também não é tão difícil expandir vendas em mercado que ficou restrito à população de alta renda, sempre muito menos afetada por crises econômicas ou “gripezinhas” – o que se comprova com alguns exemplos exóticos, como o aumento pandêmico de 44% este ano na comparação com 2019 das vendas de modelos Porsche que custam mais de R$ 500 mil; ou quando 100 unidades de pré-venda on-line da picape Ram 1500 de R$ 420 mil se esgotam em 18 horas.

Algumas projeções já escapam aqui e ali. O ritmo atual do mercado brasileiro que já aponta para um mercado anual em torno de 2,5 milhões de veículos leves – que pode desacelerar rapidamente caso o cenário pandêmico-econômico se deteriore.

Rafael Chang, presidente da Toyota do Brasil, afirmou recentemente que trabalha com este volume para 2021. Pablo Di Si, presidente da Volkswagen América Latina, avalia que o quadro atual de escassez de insumos para produzir e alta acelerada dos custos impõe limites ao crescimento, por isso estima que será difícil atingir 2,4 milhões de unidades, que ele sugere ser o número previsto pela Anfavea no momento.

Duas consultorias constantemente ouvidas por Automotive Business têm estimativas que divergem em algo como 150 mil unidades. A IHS Markit projeta 2,36 milhões de veículos leves vendidos no Brasil em 2021, o que representará alta de 20,5% sobre o provável fechamento de 2020 (1,96 milhão), mas ainda 11,3% abaixo de 2019 (2,66 milhões). A Bight Consulting prevê 2,5 milhões, crescimento interanual de 27,5% e 6% menor que 2019.

São números plausíveis e atingi-los parece ser o melhor que poderia acontecer diante de ambiente econômico que se apresenta bastante adverso. Claro que o resultado será altamente influenciado pela velocidade e eficiência do programa brasileiro de vacinação contra a Covid-19, até o momento envolto na tacanhez do Executivo federal.

Seja como for, essa é mais uma questão de expectativa com o futuro, pois é absolutamente improvável que a população brasileira esteja imunizada antes do fim de 2021 e mesmo em 2022. Até lá os surtos da doença ainda vão provocar restrições e mortes. Portanto, é aconselhável por agora conter a euforia gregoriana alimentada pelo fim de um ano que foi muito ruim e podia ter sido pior.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência