Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia | 30/11/2017 | 18h41

Engie quer levar transparência ao mercado de reparação automotiva

Startup israelense chega ao Brasil com a meta de alcançar 2,5 milhões de usuários

GIOVANNA RIATO, AB

“Ao levar o carro a uma oficina para consertar, muitos motoristas já tiveram a sensação de serem enganados. Queremos acabar com isso e aumentar a transparência desta relação.” É assim que Gal Aharon resume a função da Engie, empresa da qual é cofundadora ao lado de Alon Hendelman e que conta ainda com a colaboração de Uri Levine, um dos criadores do Waze. Ela veio ao Brasil para lançar o serviço no mercado local: um dispositivo que, conectado ao carro, usa as informações do sistema OBD para diagnosticar problemas e reunir uma série de dados do automóvel, que são apresentados ao motorista em um aplicativo de celular.

A empresa já conta com 200 mil clientes em cinco países, incluindo Estados Unidos e México. A meta, no entanto, é escalar bastante este volume com a chegada ao Brasil, onde o plano é alcançar 2,5 milhões de usuários. O número corresponde a 5% da frota nacional que a empresa estima em 50 milhões de veículos. “Parte importante dos carros em circulação têm mais de nove anos e teriam mais interesse na solução, já que ainda não são conectados”, avalia Gal.

A tecnologia pode ser usada em qualquer automóvel, novo ou usado, desde que tenha sido fabricado depois de 2002, quando o OBD já era implementado de fábrica. A solução foi criada para garantir que, ao levar o carro a uma oficina, o consumidor saiba exatamente qual é o defeito que o veículo apresenta. Na prática, no entanto, O Engie oferece bem mais do que isso, garante a empreendedora. Além de poder detectar mais de 10 mil defeitos, o sistema alerta o dono do carro sobre a necessidade de manutenção preventiva, traz informações de consumo de combustível e ainda de tempo de condução do automóvel.

MONETIZAÇÃO COM AS OFICINAS

O modelo de negócio não está apoiado em receitas geradas com o consumidor, que paga a partir de R$ 59 para comprar o dispositivo no Brasil e usa o aplicativo de forma totalmente gratuita. A ideia é mostrar na plataforma as oficinas mais próximas do carro, com a avaliação dos usuários que fizeram serviços lá. Caso o cliente precise lidar com um defeito repentino, ele pode procurar um lugar confiável perto de onde está e ainda fazer uma cotação on-line para ter certeza de que está fazendo o conserto na oficina mais barata.

“Vamos cobrar um porcentual do mecânico quando o cliente for levado até ele pelo aplicativo e fizer o serviço. Dessa forma garantimos uma relação vantajosa para todos: o cliente soluciona um problema e os profissionais conseguem atrair novos consumidores quando oferecem preços competitivos e só nos pagam quando o negócio é, de fato, fechado”, enumera Gal, dizendo que o tamanho desta comissão ainda não está definido.

Ela calcula que, só pela possibilidade de comparar preços, a solução garanta economia média de 35% ao consumidor. Ao cobrar valor baixo para que o usuário use a solução, a empresa espera escalar o negócio rapidamente no Brasil. Assim como o Waze, o Engie funciona melhor quanto mais usuários tem. O volume, reforça a empresa, torna a base de dados robusta, garantindo diagnósticos precisos, volume maior de avaliação dos serviços das oficinas e, claro, mais interesse dos mecânicos em oferecer cotações dos serviços no app. Por enquanto a plataforma começa a rodar no Brasil somente com a função de diagnóstico e informações do carro e com a localização das oficinas, sem o preço dos serviços. Nas próximas semanas a equipe da Engie vai apresentar o aplicativo aos mecânicos, que devem começar a incluir suas informações na plataforma de olho na oportunidade de atrair clientes.

Fundada em 2014 a startup recebeu investimento inicial de US$ 3,5 milhões de fundos internacionais. Agora, para expandir a sua atuação para outros mercado, a Engie fez nova capitação. A empresa não revela, no entanto, o valor desta segunda rodada e o aporte feito para o lançamento no mercado brasileiro.

Tags: Engie, aplicativo, oficina, mecânico, serviço.


Comentários

  • Nilson Botelho

    Ola bom dia como faço para cadastrar nossa empresa nesse aplicativo?

  • Ruberley Silva

    Eu uso o app Gtrace OBD (Android). Esse aplicativo é nacional, gratuito, também pode identificar milhares de falhas informadas pela central eletrônica do carro (ECU), além de ter outros recursos interessantes como alertas de velocidade e de rotação do motor (RPM). E ainda funciona com maioria dos leitores de OBDII, de baixo custo (aproximadamente R$ 20,00) e que são facilmente encontrados no Mercado Livre.

  • Adriano Fernando Lima

    Não comprem....eu adquiri motivado por noticias como esta e infelizmente até o momento não recebi o produto e nem ao menos uma satisfação(quando peço o cancelamento, eles retornam com mensagens padronizadas pedindo para que eu aguarde a entrega...mesmo tendo passado os 12 dias úteis que prometem no ato da venda)

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência