NOTÍCIAS
20/12/2017 | 19h00

Indústria

Eficiência energética é a maior vitória do Inovar-Auto

Estudo exclusivo antecipa quem conseguiu atingir objetivos


PEDRO KUTNEY, AB

Ao completar o ciclo de cinco anos do Inovar-Auto, programa de desenvolvimento do setor automotivo previsto para chegar ao fim em 31 de dezembro, nada foi tão bem-sucedido do que as metas de eficiência energética. A maioria dos fabricantes de veículos no País não só alcançou como superou o objetivo proposto. Antes das medições serem oficialmente divulgadas – o que possivelmente deve ocorrer só na última semana do ano –, levantamento exclusivo da Bright Consulting revela que o consumo médio dos 1,94 milhão veículos leves vendidos de outubro de 2016 a setembro de 2017 alcançou 1,74 megajoule por quilômetro (MJ/km), equivalente a emissões de 131 gramas de CO2 por quilômetro (g/km), o que resulta em melhoria de 15,9% em comparação com 2011 e coloca o Brasil em nível parecido com a Europa, ajudando a cumprir o compromisso de redução de emissões assumido pelo País na COP21, a convenção da ONU sobre mudanças climáticas.

“Como resultado da legislação, houve economia em 2017 de 433 milhões de litros de gasolina, equivalente a R$ 1,56 bilhão que deixaram de ser queimados nos motores, valor próximo dos benefícios fiscais anuais conferidos ao setor como incentivo à pesquisa e inovação”, avalia o consultor Paulo Cardamone, sócio-diretor da Bright. “Com os novos níveis de emissões, os veículos leves que rodam no Brasil deixarão de jogar na atmosfera 13 milhões de toneladas de CO2 entre 2017 e 2025, redução de 9,5%, isso sem considerar as novas metas que deverão ser estabelecidas para 2022 em diante”, estima – nas discussões mantidas entre representantes do setor e governo em torno do novo programa de desenvolvimento setorial, conhecido até agora como Rota 2030, a proposta é elevar em mais 12% o padrão médio de eficiência energética dos automóveis vendidos no País.

Para antecipar os resultados, a consultoria ponderou o volume de vendas e o consumo medido pelo Inmetro de modelos e versões de 24 marcas, para encontrar a média de consumo em MJ/km de cada fabricante. De acordo com este levantamento, sete marcas não atingiram o nível médio mínimo de melhoria de 12,08% (sobre a base de 2011) do consumo da frota vendida no período – e por isso devem pagar multa que varia progressivamente de R$ 50 a R$ 360 por modelo vendido para cada 0,01 MJ/km excedido. Três fabricantes se qualificaram dentro da redução mínima exigida abaixo de 12,08%, não pagam multa nem recebem incentivos. Outras dez superaram o objetivo premiado de 15,46% de melhoria e quatro o segundo nível de premiação de 18,84%, o que as qualifica para requisitar desconto adicional de IPI de um ponto porcentual no primeiro caso e de dois pontos no segundo.



Três empresas, Audi, Ford e Nissan, já tinham conseguido desde o início de 2017 o abatimento de um ponto no IPI de seus automóveis, porque ofereceram seus veículos para medição um ano antes e assim puderam obter o benefício com antecedência, conforme estava previsto nas regras do Inovar-Auto.

A HPE, importadora e fabricante dos veículos Mitsubishi e Suzuki no País, negou que os modelos das duas marcas estejam abaixo da meta de eficiência energética do Inovar-Auto (leia aqui).

Conforme explica Cardamone, mesmo se superar as metas e se qualificar para obter o desconto tributário, o fabricante pode não requisitar o benefício, pois precisará confirmar as medições todo ano de carros que podem sofrer variações drásticas de vendas e influenciar na média – é o caso, por exemplo, de lançamento de modelos e de veículos que saem de linha.

Nesse sentido, as metas de eficiência energética provocam diversas mudanças no portfólio de produtos dos fabricantes. Carros de grandes volumes que não apresentam bons resultados de consumo precisam ser retirados de linha ou passar por limitação de vendas (como aumento de preço), porque puxam para baixo a média de eficiência e podem gerar multas às montadoras. Por isso todas as empresas focam em lançar carros mais econômicos.

TECNOLOGIAS

A redução de consumo da frota brasileira foi feita com a adoção em maior ou menor grau de diversas tecnologias que até então tinham poucas chances no Brasil. Entre elas destacam-se comando variável de válvulas, motores três-cilindros, transmissões automáticas com maior número de marchas, turboalimentação, injeção direta de combustível, redução de peso e de atrito de componentes, pneus de baixa resistência ao rolamento.

Também foram aplicadas as chamadas soluções fora-do-ciclo, que reduzem o consumo de fato mas não podem ser medidas em bancadas de testes, como start-stop, monitor de pressão dos pneus, controle de abertura de grade frontal e indicador de troca de marchas. As montadoras que adotaram esses sistemas ganharam créditos extras de até 0,0351 MJ/km, que ajudaram alguns fabricantes a atingir as metas. Outra ajuda veio dos poucos híbridos e elétricos vendidos no País: cada modelo comercializado é multiplicado por 1,85, para aumentar sua influência sobre o total de vendas e a média de eficiência.

Cardamone conclui que o avanço da eficiência energética dos veículos brasileiros contribuirá para o aumento da competitividade internacional da indústria, que precisa se enquadrar a padrões regulatórios globais se quiser exportar a mercados desenvolvidos. Por isso ele recomenda que essa evolução deve continuar, com o estabelecimento de novas metas de 2022 a 2027 – incluindo desta vez os veículos diesel que ficaram de fora do programa atual. “Isso daria previsibilidade ao setor e forçaria a atualização de produtos feitos aqui”, defende o consultor.

Comentários: 2
 

AMAURI WINTER
21/12/2017 | 17h57
Cumprimento o AB pelas excelentes materias sobre automoveis. Hoje estou lendo s o INOVAR que sem duvida resultou em evoluçao em eficiencia, qualidade e competitividade. Enviei o restante via email ao AB.

Marco Pallini
29/12/2017 | 15h02
A Mitsubishi já teve problemas no Japão por informar eficiência irreal e depois teve que se retratar, e aqui no Brasil quer defender o indefensável. É só puxar fichas técnicas do seu motor Mivec 2.0L de 5 anos atrás e atuais (nada mudou, incluindo consumo ou emissões). Parou no tempo enquanto outras montadoras atualizaram as tecnologias de seus motores, e agora vem com churumelas.....

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 16/01/2018
Quem liderou os principais segmentos em 2017

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement
Advertisement Advertisement
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 12/01/2018
Que tal pagar uns R$ 64.000 pela versão Precision, 1.8, automática?
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
INOVAÇÃO | 19/01/2018
Há alguns obstáculos para fazer dar certo a relação entre elefantes e formiguinhas
AUTOINFORME | 10/01/2018
Só três dos 15 mais importados não são utilitários esportivos
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças