Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Caoa Chery planeja chegar a 50 mil veículos em 2020

Mercado | 10/12/2019 | 18h45

Caoa Chery planeja chegar a 50 mil veículos em 2020

Mas 2019 mal passa de 20 mil unidades vendidas; ano vai fechar abaixo da meta de 30 mil

PEDRO KUTNEY, AB

Depois de impor ritmo alucinante de crescimento de suas vendas com elevação de 131% de 2017 para 2018 e de novo aumento porcentual parecido entre o ano passado e 2019, chegando à marca de 20 mil veículos emplacados no Brasil, a Caoa Chery já planeja outro salto estratosférico: almeja alcançar o patamar de 50 mil unidades comercializadas em 2020. Com isso, a marca surgida no fim de 2016 – com a sociedade em meio-a-meio entre a chinesa Chery e o brasileiro Grupo Caoa – ficaria na 11ª posição do ranking nacional de emplacamentos, desbancando montadoras que estão há muito mais tempo no País.

“Nossa estratégia era chegar no mercado muito rápido e fizemos isso com quatro novos carros: o sedã Arrizo 5 e os três SUVs Tiggo 2, 5x e 7. Agora vamos entrar na segunda fase do projeto, saltando para outro nível mais difícil de atingir”, afirma Marcio Alfonso, CEO da Caoa Chery.



O executivo reconhece, no entanto, que a primeira fase de lançamento da marca sino-brasileira termina abaixo do que era projetado, de fechar 2019 com cerca de 30 mil veículos vendidos. “Nosso resultado é bom, mas o ano foi um pouco mais fraco do que imaginávamos. Devemos dar um novo salto com o plano de abrir mais concessionárias, lançar mais produtos e entrar com mais força no mercado de vendas diretas, que foi o que mais cresceu no ano e tivemos presença fraca, restrita a vendas para PcD (pessoas com deficiência)”, explica Alfonso.

REDE MAIOR E LOCADORA PRÓPRIA



Entre os fatores para aquecer as vendas em 2020, a Caoa Chery passará a destinar maiores volumes ao mercado de vendas diretas, por meio da locadora que o próprio Grupo Caoa abriu este mês. Será uma forma de participar do segmento que este ano representa cerca de 45% das vendas de veículos no País.

“Nossa participação de mercado está crescendo mês a mês, saiu de 0,52% em janeiro passado para 0,83% em novembro, mas se considerar só o varejo, as concessionárias, o porcentual já é maior, sobe para 1,35%. Isso acontece porque temos baixa penetração em vendas diretas, o que deve mudar com a locadora do grupo”, explica Alfonso.

A rede vem acompanhando o ritmo forte de crescimento da marca: de 25 concessionárias em janeiro de 2018 o número subiu para 65 em janeiro de 2019 e deve alcançar 115 lojas ao fim de dezembro (72 são do próprio Grupo Caoa). O plano é chegar ao fim de 2020 com 142 pontos. “Seguramos um pouco o plano de expansão para garantir crescimento com qualidade. Mas voltamos a acelerar e já fizemos novas parcerias com grandes grupos concessionários, como o Barigui que já abriu quatro concessionárias este mês”, diz o CEO.

NOVOS PRODUTOS



Também está no horizonte a constante renovação de produtos. Ainda no primeiro semestre a Caoa Chery vai lançar no Brasil dois novos veículos: um SUV de sete assentos montado em Anápolis (GO), o Tiggo 8 (já apresentado ao público brasileiro no Salão de São Paulo de 2018), e um sedã maior que o Arrizo 5, o Arrizo 6, que vai dividir com o irmão menor a mesma linha de montagem em Jacareí (SP).

Os SUVs já montados no País, Tiggo 2 e 5x, vão passar por renovação no segundo semestre. E no fim de 2020, segundo Alfonso, dois novos carros devem ser apresentados, mas o lançamento deles deverá acontecer em 2021.

Este ano a Caoa Chery deu seus primeiros passos no segmento de carros elétricos no Brasil, lançando a versão a bateria do sedã Arrizo 5, importado da China. Mas as expectativas são de avanço lento da nova opção de propulsão por aqui: “Em 2025 a venda de modelos elétricos no País deve representar cerca de 0,5% do mercado brasileiro”, pondera Alfonso. Ainda assim, a empresa continua a estudar planos de executar a montagem de versões elétricas de veículos feitos em Jacareí, aproveitando o impulso que a tecnologia vem ganhando na China, onde a partir de 2020 as montadoras serão obrigadas a concentrar 10% das vendas em modelos elétricos.



Tags: Caoa Chery, Grupo Caoa, Chery, mercado, projeção, indústria, fábrica, negócio.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência