Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Volkswagen ganha mais participação; Hyundai sobe do 7º ao 4º lugar

Mercado | 03/07/2020 | 19h40

Volkswagen ganha mais participação; Hyundai sobe do 7º ao 4º lugar

No primeiro semestre, 5 das 10 marcas mais vendidas tiveram quedas menores do que a média do mercado

PEDRO KUTNEY, AB

Em um cenário fortemente impactado pela pandemia de coronavírus, todas as dez marcas de veículos leves mais vendidas do País fecharam o primeiro semestre com expressiva retração nas vendas na acima de 34%, na comparação com a primeira metade de 2019. Das dez, cinco (GM/Chevrolet, Ford, Renault e Toyota) registraram queda acima da média do mercado (de 39%) e as outras cinco tiveram desempenho ligeiramente melhor (Volkswagen, Fiat, Hyundai, Jeep e Nissan).

A marca que mais ganhou participação de mercado no período foi a Volkswagen, com avanço de 1,26 ponto porcentual sobre o primeiro semestre de 2019, subindo para 16,3% no acumulado de janeiro a junho. Apesar da queda nas vendas de 33,7% no período, com 124,2 mil unidades emplacadas, a marca se manteve na segunda posição do ranking de marcas e teve desempenho melhor do que a média, com ajuda relevante da performance de mercado do T-Cross, que foi o nono carro mais emplacado na soma dos seis meses e em junho subiu ao posto de terceiro mais vendido.

A Hyundai foi a marca que mais escalou degraus no ranking, foram três, subindo da sétima posição na primeira metade de 2019 para a quarta agora. Para isso foi suficiente um pequeno ganho de 0,32 ponto de participação, para 8,3%. Dos 63,3 mil Hyundai emplacados de janeiro a junho (queda semestral de 36,4%), 94% deles foram da família HB20 (hatch e sedã) e do Creta produzidos em Piracicaba (SP). Ambos tiveram performances relevantes: o hatch HB20 se consolidou como segundo carro mais vendido do País no semestre, enquanto o SUV Creta foi o 14º, mas fechou o mês de junho na nona colocação.

“Quando o mercado automotivo sofre com a retração da economia e o volume cai para todas as marcas, a Hyundai cai menos. Entendemos que isso é um atributo de nossos produtos, que acabam sendo a escolha daqueles que seguem comprando, de maneira mais racional, considerando o retorno do investimento, a garantia mais longa de cinco anos, a qualidade e a tecnologia embarcada”, justifica Angel Martinez, vice-presidente comercial da Hyundai Motor Brasil.

GM/CHEVROLET “COLA” NA PRIMEIRA POSIÇÃO



Apesar da queda nas vendas de 39,5% no primeiro semestre e da perda marginal de 0,16 ponto porcentual de participação de mercado, a GM/Chevrolet permaneceu “colada” com boa margem no topo do ranking de marcas mais vendidas, com share de 17,6% e 134,4 mil emplacamentos. O Onix continua sendo o carro mais vendido do País e a versão sedã Onix Plus subiu para a terceira posição no primeiro semestre. Os dois responderam por 68% das vendas da marca no período. Paralelamente, o SUV Tracker que começou a ser fabricado no Brasil, lançado em março passado, está galgando posições rapidamente: fechou junho como quinto veículo mais emplacado.

Fixada já há alguns anos no terceiro lugar do ranking, a Fiat registrou queda de vendas menor que a média do mercado, com retração de 36,4% e 109 mil emplacamentos, com o segundo maior ganho de participação, de 0,56 ponto, para 14,3% no primeiro semestre. Strada (recém-renovada) e Toro seguiram sustentando o resultado da marca, como primeira e segunda (respectivamente) picapes mais vendidas do País – cada uma vende volumes parecidos com os do harch Argo, o automóvel mais emplacado da Fiat no período e sétimo na lista de carros mais demandados.

Mantendo a mesma quinta posição que tinha no primeiro semestre de 2019, sem nenhum lançamento relevante a Ford emplacou 60,5 mil veículos em seis meses, o que representou queda de 41,6%, pior do que a média de mercado, com perda de 0,37 ponto de participação, para 7,9% no período. O Ka vem perdendo posições nos últimos meses, mas fechou os seis primeiros meses de 2020 como quarto carro mais vendido do País. Mais relevante foi o desempenho da Ranger (renovada há um ano), que em junho foi a picape média mais emplacada, poucas unidades à frente da Toyota Hilux.

RENAULT PERDE MAIS NO SEMESTRE



Na sexta posição do ranking está a Renault, marca que mais perdeu participação no semestre, com redução de 1,18 ponto, para 7,86%, com quase 60 mil unidades emplacadas e queda nas vendas semestrais de 46,8% – bastante acima da média de retração de 39% do mercado. O Kwid foi o sexto carro mais vendido no período, enquanto o Sandero perdeu muitas posições, caiu para a 16ª.

A Toyota perdeu meio ponto de participação nas vendas do semestre, que baixou para 7,7%, o que fez a marca descer da sexta para a sétima posição no ranking, com 58,8 mil emplacamentos e recuo de 42,6% – também bastante acima da média do mercado. O sedã médio Corolla, que sempre figura entre os dez carros mais vendidos do País, nos seis meses de 2020 desceu para a 13ª colocação, o que pode ser explicado pelos três meses de paralisação da linha de produção em Indaiatuba (SP), por causa da pandemia.

A Jeep conseguiu subir da nona para a oitava posição do ranking, com 38,5 mil emplacamentos, queda semestral na vendas de 37% e ligeiro ganho de 0,14 ponto de participação, estabilizado em 5%. Em junho a marca colocou seus dois SUVs produzidos em Goiana (PE) entre os dez veículos mais vendidos do País, com Renegade em quarto e Compass em décimo.

Também com a produção no País paralisada por cerca de três meses e baixa ambição para cuidar do caixa, a Honda desceu da oitava para a nona posição do ranking semestral, com a segunda maior perda de participação entre as marcas, de 0,68 ponto, para 4,5%, com a venda de 34,3 mil veículos, o que representou recuo expressivo de quase 47% na comparação com o mesmo período de 2019. O modelo mais vendido da marca no semestre, o HR-V, ficou em 17º lugar no acumulado de emplacamentos de seis meses de 2020.

A Nissan conseguiu sustentar sua décima posição no ranking, com 28,8 mil emplacamentos, em queda de 34,5% sobre o primeiro semestre de 2019 e pequeno ganho de 0,25 ponto de participação, para 3,77%. Seu modelo mais vendido, o Kicks, foi o 15º mais emplacado do País no período.



Logo abaixo das dez marcas mais vendidas do mercado, e prestes a entrar nessa lista, destaque para o desempenho da Caoa Chery, a que teve a menor redução de vendas no semestre, de 13,3%, com 8,5 mil emplacamentos, o que pavimentou o caminho para subir da 14ª para a 11ª posição do ranking, com ganho de 0,29 ponto de participação, para quase 1% (0,97%).



Tags: Ranking, mercado, marcas, automóveis, utilitários, comerciais leves, pandemia, coronavírus, Covid-19.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência