Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
CNH Industrial pede competitividade, oferece exportação e nacionalização
Linha de produção de tratores agrícolas da CNH Industrial no Brasil: oportunidade para fornecedores nacionalizarem componentes e exportar para outras unidades do grupo

Indústria | 16/09/2020 | 20h45

CNH Industrial pede competitividade, oferece exportação e nacionalização

Grupo abre oportunidade para fornecedor no Brasil vender a outras unidades da empresa no mundo

PEDRO KUTNEY, AB

Ao sinalizar aos seus fornecedores no Brasil e na América do Sul a necessidade de buscar mais competitividade internacional, o grupo CNH Industrial destaca a oportunidade que a conjuntura econômica oferece de nacionalizar mais componentes para sua produção local de máquinas agrícolas e de construção Case e New Holland, caminhões e ônibus Iveco e motores da FPT Industrial. Além disso, também abre a possibilidade de exportar para unidades da companhia no mundo todo. Essa foi uma das principais mensagens às empresas da cadeia de suprimentos da CNH na região durante a cerimônia virtual de premiação do Suppliers Excellence Awards 2020 na noite da terça-feira, 15.

Para Cláudio Brizon, diretor de compras da CNH Industrial na América do Sul, diante do quadro da pandemia de coronavírus que fechou muitas fábricas no exterior, em combinação com a desvalorização cambial que deixa produtos brasileiros com preços internacionais mais competitivos, o momento é favorável para nacionalizar componentes e estimular as exportações para equilibrar os custos e complementar o faturamento prejudicado pela crise.

“Temos de aproveitar a desvalorização cambial para aumentar as exportações. Mas para isso é fundamental o foco em aumento da competitividade, capacidade produtiva e qualidade. Somos uma empresa global e este é o momento de fazer negócios com nossas várias unidades no mundo, não importa se sua empresas é global ou nacional. Vamos olhar os aspectos positivos da flutuação econômica e tirar proveito deste momento”, avalia Cláudio Brizon.



O executivo conta que no segundo trimestre deste ano, logo após o impacto da pandemia, a CNH indiciou um projeto para oferecer a diversas unidades do grupo componentes feitos por fornecedores no Brasil. Em uma primeira fase, seis fornecedores já foram habilitados e antes do fim de 2020 vão começar a exportar para duas fábricas nos Estados Unidos e duas na Europa.

“O projeto exportador é antigo, mas nunca tivemos um ambiente tão favorável para isso como agora”, explica Brizon. “A pandemia e o dólar acima dos R$ 5 aceleraram esse processo”, completa.

Mas antes do atual projeto a CNH já tinha exemplos de iniciativas de sucesso. Uma delas foi de uma das empresas premiadas por qualidade este ano no prêmio de fornecedores. A Agropertences, do Rio Grande do Sul, há cerca de três anos participou do desenvolvimento de uma colheitadeira de arroz e desenhou no País um novo rotor para a máquina, com melhor custo. Deu certo e a empresa começou a exportar a peça para fábrica do grupo CNH na Polônia.

MAIS NACIONALIZAÇÃO, MAS SEM PERDER A COMPETITIVIDADE



No Brasil, ao contrário, o plano é seguir prestigiando a cadeia nacional de suprimentos. “Sempre tivemos a estratégia de produzir com o máximo possível de componentes locais, até para evitar problemas logísticos, mas claro que a desvalorização cambial estimula ainda mais a nacionalização. A ideia é importar somente itens que não tem escala de produção local”, afirma Brizon.

Segundo o diretor de compras, atualmente as máquinas e veículos produzidos pela CNH no Brasil e Argentina têm índice médio de nacionalização superior a 70%, com variações dependendo do produto de 40% a 80%. “Também precisamos desse índice alto de localização para que nossos produtos possam ser financiados pelas linhas do BNDES/Finame”, explica.

Contudo, o diretor destaca que segue sendo essencial aumentar a competitividade, seja para fornecer aqui ou no exterior. “Não é só preço baixo e redução de margem, buscamos iniciativas que agregam valor. Peço para cada fornecedor reexaminar sua produção, encontrar e eliminar desperdícios, aumentar a produtividade, isso é fundamental para manter a saúde de toda a cadeia”, defende.

Um dos instrumentos que Brizon vem oferecendo aos fornecedores é o WCM (World Class Manufacturing), sistema de produção global adotado desde o início dos anos 2000 pelas empresas do antigo Grupo Fiat, hoje dividido em FCA e CNH Industrial. O sistema institui as melhores práticas de manufatura conhecidas para aumentar a produtividade, além de auditar e classificar as fábricas em categorias de excelência bronze, prata e ouro (em ordem crescente). “Gostaria de expandir mais essa ferramenta na cadeia, acho que os fornecedores deveriam explorar mais o WCM aqui”, indica.



Tags: CNH Industrial, fornecedores, indústria, cadeia, exportação, dólar, câmbio, nacionalização, competitividade, Suppliers Excellence Awards 2020, prêmio, pandemia, coronavírus, Covid-19.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência