Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 12/03/2011 | 20h01

Behr: tecnologia para garantir competitividade

CEO Max Forte aposta em maior valor agregado.

Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Redação AB

Max Forte, CEO da Behr Brasil, aposta no caminho da tecnologia para alavancar a competitividade da operação brasileira diante dos concorrentes de fora. Para ele, essa é a forma de enfrentar os agressivos asiáticos, que estão chegando ao País, e oferecer aos fabricantes de veículos alternativas para comercializar no mercado interno, ou exportar, produtos com alto valor agregado. Coerente com esse princípio, a empresa inaugurou recentemente um centro tecnológico em Arujá, onde fica a sede regional da corporação alemã.

A receita da Behr no País é dividida em três partes praticamente iguais. Uma corresponde à venda de equipamentos de ar condicionado para carros de passeio; as outras duas a sistemas de resfriamento para automóveis e veículos comerciais. A marca é forte no segmento de arrefecimento para caminhões, fornecendo para a maioria das marcas. Entre os concorrentes locais estão a Delphi e Valeo (com presença importante no aftermarket), Denso, Visteon e a pequena Modini.

A matéria-prima principal para a produção dos equipamentos é o alumínio, que deixou o cobre para trás por razões econômicas e grau de avanço da tecnologia associado aos materiais. Embora haja previsão de uma escassez de alumínio, os preços do cobre continuam significativamente mais elevados no mercado de commodities.

A trajetória da Behr no Brasil teve início em 1986 quando a empresa estruturou parceria tecnológica com a RCN Radiadores na área de arrefecimento. Em 1994 a empresa alemã absorveu 55% do capital da associada e chegou aos 100% em 1997. Dois anos depois veio a decisão de oferecer também sistemas para ar condicionado. “Hoje somos uma empresa dedicada à gestão térmica automotiva”, diz Forte, explicando que a engenharia da companhia entra em ação quando é preciso ‘esquentar ou esfriar alguma coisa’.

Forte assegura que a empresa tem na matriz uma série de tecnologias que podem ser incorporadas pela indústria automobilística brasileira quando a demanda por maior conteúdo exigir. É o caso de sistemas de ar condicionado sofisticados, para duas ou quatro zonas, e até mesmo de componentes capazes de recuperar energia térmica e transformá-la em eletricidade.

O executivo admite que há preocupação hoje no setor com o crescimento acelerado da demanda, que pode levar a uma produção de 5 milhões de veículos no País dentro de pouco tempo. Ele assinala que houve um avanço significativo do ar condicionado nas vendas automotivas, que avançou do patamar de 45% para 75% nos últimos cinco anos. “Tem havido um esforço de todas as partes para evitar gargalos na cadeia de suprimentos, reunindo o supply chain e as montadoras”, afirma.


Assista à entrevista exclusiva com Max Forte, CEO da Behr:

Foto: Max Forte, CEO da Behr.



Tags: Behr, ar condicionado, arrefecimento, RCN Radiadores, Denso, Visteon, Delphi, Valeo, Modini.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV