Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Inovação para superar a crise: as apostas do setor automotivo

Cenários 2021 | 20/04/2021 | 19h20

Inovação para superar a crise: as apostas do setor automotivo

Problemas impostos pela Covid-19 trouxeram limitações, mas também ajudaram a acelerar tendências e estratégias das empresas

MÁRIO SÉRGIO VENDITTI, PARA AB

Sem tempo para ler? Que tal OUVIR esse texto? Clique no play!





Todos os setores da indústria automotiva brasileira estão se deparando com um grande desafio provocado pela explosão da pandemia no país: pisar no freio em relação a projetos e investimentos ou seguir adiante no desenvolvimento e pesquisas de novas tendências vislumbrando o futuro?



- Faça aqui o download do relatório completo da pesquisa Cenários para a Indústria Automobilística



Em que pese algumas montadoras terem interrompido suas operações por alguns dias como precaução contra o avanço do vírus, a estratégia acerca de inovações ainda está em curso na maioria das empresas. É o que apontou a oitava edição da pesquisa Cenários para a Indústria Automobilística Brasileira, promovida por Automotive Business em parceria com a consultoria Roland Berger e que entrevistou 532 profissionais do setor.

“A Covid-19 vai determinar o avanço do nível de inovação”, resume, à luz do resultado do levantamento, Marcus Ayres, sócio global da Roland Berger. “A Toyota vem mantendo seus planos e investimentos”, assinala Rafael Chang, presidente da Toyota do Brasil. Mas destaca que o cenário no curto prazo ficaria mais favorável com um plano de vacinação acelerado, que daria mais estabilidade aos negócios.

“Não haverá recuperação se a pandemia não for varrida do Brasil”, complementa Marcus Ayres.



A opinião de Rafael Chang encontra eco em 86% das respostas da pesquisa, que sinalizam que acelerar o processo de imunização é a principal medida do governo para garantir a retomada das atividades do setor em 2021. Medidas econômicas como redução de encargos trabalhistas e da carga tributária também foram lembradas por 63% dos entrevistados.

É PRECISO DAR UM NOVO PASSO



“No passado, o Brasil adotou o incentivo aos modelos 1.0. Agora, mais de duas décadas depois, não tivemos mudanças significativas nessa política. É preciso reabrir a discussão para o bem da industrialização do setor”, afirma o presidente da Toyota do Brasil.

Carlos Abdalla, gerente de marketing, comunicação corporativa e relações institucionais da Bosch América Latina, acrescenta: “O setor automotivo vem sofrendo com demissões, fechamentos de fábricas, redução ou cancelamento de investimentos em projetos e avanços tecnológicos, além de suspender iniciativas com foco em segurança veicular e sustentabilidade”, afirma.

Não é só. Segundo Abdalla, os entraves logísticos, a falta de insumos como o aço e a forte desvalorização do real frente ao dólar elevam os custos de produção e impactam negativamente a venda de veículos no mercado brasileiro.

Para reverter este cenário, ele defende uma política industrial que atrairia uma nova onda de investimentos. “Nessa direção, o Rota 2030 é um marco importante para orientar o setor. É necessário aumentar a competitividade da porta das empresas para fora, reduzir o chamado Custo Brasil, aprovar reformas estruturais, como a tributária e investir em infraestrutura”, completa.

A CONSTRUÇÃO DO FUTURO DA MOBILIDADE



Se por um lado a Covid-19 gera preocupações sanitárias que refletem diretamente nos modelos de compartilhamento de veículos, por outro, ela vem acelerando estudos nas áreas de mobilidade, veículos autônomos, digitalização e eletrificação, embora os executivos não demonstrem grande entusiasmo de aumento nas vendas de carros elétricos antes de 2025.

“A eletrificação tem várias fases e, além do Governo Federal, que é parte fundamental nesse processo, há uma dependência dos fornecedores e da cadeia de abastecimento”, destaca Chang.



Ayres complementa: “Mesmo assim, a pandemia não esfriou a agenda da eletrificação”. Empresas como a Bosch procuram fazer a lição de casa. “Apesar das dificuldades, a pandemia apressou a transformação digital especialmente no setor automotivo”, diz Abdalla. Ele conta que a Bosch atua maciçamente nas áreas de eletrificação, veículos autônomos, conectividade e digitalização, fazendo parcerias estratégicas com empresas privadas, universidades e institutos de pesquisa. “A Internet das Coisas (IoT) está cada vez mais presente na mobilidade e a indústria automotiva tem os desafios de desenvolver carros ainda melhores e organizar os fluxos nos grandes centros urbanos”, ressalta.

Abdalla deixa claro, porém, que alguns riscos assombram a volta do crescimento dos negócios, como um possível aumento do desemprego face ao agravamento da pandemia. “A vacinação é o passo mais importante para conter a disseminação do vírus e retomar as rotinas pessoais e profissionais”, afirma. “Mas ela não elimina a continuidade, por um bom tempo, de hábitos preventivos, como evitar aglomerações, manter o distanciamento social, usar máscaras e obedecer às orientações dos órgãos de saúde.”

Para Breno Kamei, diretor de portfólio, pesquisa e inteligência competitiva para a América Latina da Stellantis, um desafio adicional é conciliar as rotinas de produção com protocolos eficazes de proteção das pessoas. “Adotamos medidas de preservação da integridade física dos nossos colaboradores. Vão desde um aplicativo que monitora diariamente o estado de saúde de cada um até o controle de temperatura corporal no acesso aos ônibus e às fábricas, que tiveram o redesenho das estações de trabalho e das áreas comuns para assegurar o distanciamento mínimo recomendado”, afirma.

APRIMORAMENTO DO E-COMMERCE



No período de pandemia, uma das áreas que mais evoluíram foi o e-commerce, devido à necessidade de se desenvolver novos modelos de vendas. Esse tema foi lembrado por 48% das respostas da pesquisa como uma das principais tendências em inovação do setor automotivo.

“O e-commerce é uma realidade mundial e ganhou força com a pandemia. Afinal, os comportamentos de consumo mudaram e a internet está se tornando a principal forma de compras. Daí a importância de estar ativo nos canais digitais”, revela Carlos Abdalla.

O executivo da Bosch faz a ressalva: antes de ingressar no e-commerce, as empresas precisam de planejamento estratégico específico para trabalhar nas mais variadas plataformas. Isso porque a ideia não é somente oferecer o produto, mas também uma experiência de compra satisfatória para o usuário, informando dados técnicos, itens de qualidade e atendimento rápido e eficiente.

PANDEMIA ACELERA TENDÊNCIAS



A pandemia ajudou a movimentar a roda de certas tendências do setor automotivo, no entanto, algumas ações já estavam em franco desenvolvimento. “Com ou sem coronavírus, o mundo dos negócios muda todo dia”, salienta Rafael Chang. “Há muito tempo entramos no universo da mobilidade e nossa visão é de médio e longo prazos. Há 30 anos, ninguém acreditava nas tecnologias limpas e a Toyota já pensava nisso.”

Roger Armellini, diretor de mobilidade e transformação de negócios da fabricante japonesa, acrescenta: “A mobilidade é um dos pilares de expansão da Toyota. Queremos provocar uma revolução com a tecnologia 5G nas centrais multimídias dos automóveis e também na comunicação entre o carro e as residências ou entre carro e a infraestrutura das cidades”, revela.

“Com a pandemia, novas oportunidades surgiram, entre elas, a transformação digital em diversas áreas”, reforça Abadalla, da Bosch. Para ele, o desempenho da companhia em 2020 em meio à pandemia superou a expectativa. “Isso se deve, sobretudo, a um dos principais diferenciais da Bosch, que é a participação em diferentes setores de negócios e aos investimentos em digitalização, pesquisa e desenvolvimento de soluções tecnológicas”, explica.

Apesar dos problemas de fornecimento de peças e componentes eletrônicos – como os semicondutres –, outros segmentos da Bosch apresentaram ótimo desempenho, como as divisões de Ferramentas Elétricas e de Reposição Automotiva, diz o executivo.

A pandemia também serviu para trazer à tona medidas que – já se sabia – eram necessárias, como a digitalização de processos e a revisão do tamanho e do papel das concessionárias. “Hoje, faz sentido as concessionárias ocuparem espaços físicos enormes?”, questiona Roger Armellini. “É possível aumentar a capilaridade e ficar mais próximo dos clientes em estruturas menores. A pandemia está nos ensinando que os serviços integrados e remotos e o fim da burocracia gerada pelo grande volume de papéis e documentos trazem mais eficiência nas operações.”

3: Cenários para a Indústria Automobilística
Infogram



Tags: Cenários para a Indústria Automobilística, inovação, Toyota, digitalização, Bosch.

Comentários

  • Margarethde Freitas Oliveira

    Todasos comentários e observações acima são de extrema importância no momento atual, onde as empresas precisam se adaptar, mudar e acompanhar as inovações advindas desta aceleração substancial imposta pela Covid-19. Nos empresários nos sentimos muitas vezes ate perdidos mas com a mobilização de nosso setor nos ajudara a enfrentar com experiencia compartilhadas e mais sabendo que todos unidos sairemos muito melhor fortalecidos desta crise sem precedentes. Grata. Margareth Oliveira - Gaxetas Quality

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

Mobility Now

ABTV

Mobility Now